Go to Top

Execução de título judicial em razão de julgado em ação civil pública. Multa diária por inexecução de obrigação de fazer. Limite do total da cobrança.

Dentre as várias discussões que a Lei de Ação Civil Pública suscita é se o valor da multa diária pode ser cobrado indefinida e ilimitadamente.

Há muito já me havia posicionado no sentido de que os Princípios da Razoabilidade e da Proporcionalidade impedem que se arbitre multa diária em valor tal que, se cobrada, faça o montante superar o valor da obrigação principal.

O TJSP, em julgado de 2012, seguiu na mesma linha, no Agravo de Instrumento 0141760-54.2911.8.26.0000. [1]

O voto do Relator é bem esclarecedor:

À vista do princípio da razoabilidade e da proporcionalidade e das regras dos artigos 413 do Código Civil e 461 e §6º do CPC, há julgados desta Câmara limitando o valor da multa ao da obrigação principal, sem prejuízo da obrigação de cumprir o julgado, ou de arcar com seu custo, ou, inda, na impossibilidade de indenizar o respectivo valor, de modo que o infrator fica sujeito ao pagamento do dobro do montante da obrigação descumprida.

Da limitação do valor total da multa ao valor da obrigação não decorre a possibilidade de a devedora optar pelo pagamento sem cumprimento de sua obrigação. A obrigação de fazer persiste e seu descumprimento deve acarretar a execução da obra à custa da devedora, ou indenização. A multa não compensa o descumprimento da obrigação.

Importante acrescentar que o art. 461, §6º do CPC (“O juiz poderá, de ofício, modificar o valor ou a periodicidade da multa, caso verifique que se tornou insuficiente ou excessiva”), alterou a redação do antigo artigo 644, parágrafo único, do mesmo Estatuto.

Seja na antiga redação, seja na atual, o juiz tem respaldo para reduzir e limitar a multa diária.

No caso julgado pelo Agravo de Instrumento do TJSP há uma particularidade: o Tribunal determinou a redução do valor global da multa diária, mesmo diante do evidente “descumprimento das determinações do Acórdão e da sentença, apesar do tempo decorrido.”

Continua o Relator, fazendo referência a outro julgado do próprio Tribunal:

[…] embora a astreinte deva ser expressiva, a ponto de coagir o devedor a cumprir o preceito, não pode configurar-se como ônus excessivo, sob pena de se estar olvidando, com isso, as noções de equidade que devem pautar as decisões judiciais” (JTJ 260/321, ref. CPC anotado de T. Negrão, nota 7d ao art. 461, 36ª Ed. Saraiva) (…)

E prossegue:

Vê-se, então, que o título executivo em questão tem características próprias, especiais, que não devem ser desprezadas para efeito de adequada prestação jurisdicional. Esse tipo de multa, antes de ter por fim compensar o credor, busca compelir o devedor a cumprir a obrigação, sem excessos que não contribuam para isto e que constituam gravame excessivo e desnecessário. Razoável, então, a proporcionalização da multa.

Para concluir, registra-se que essa orientação não se trata de posição isolada do TJSP, já que essa é a tendência dos demais tribunais.

 

[1] BRASIL. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. Acórdão. Agravo De Instrumento Nº 0141760-54.2011.8.26.0000. Agravante: Empresa de Mineração Aguiar & Sartori LTDA – Agravado: Ministério Público Do Estado De São Paulo – Relator: Exmo. Sr. Des. Antonio Celso Aguilar Cortez. 29 de março de 2012. Disponível em:<www.tjsp.jus.br>, São Paulo, SP. Fev. 2014. Registro: 2012.0000131577.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *